Buscar
  • Evandro Lins

Golpe do falso pagamento é maioria das fraudes digitais em Pernambuco, revela estudo


A criatividade dos criminosos parece não ter fim quando se trata de golpes. Portanto, é fundamental estar atento e ter cautela na hora de realizar transações ou vendas pela internet. Em um piscar de olhos, os criminosos, que são bem articulados, podem fazer o cidadão de vítima.


Segundo estudo da OLX, em parceria com a AllowMe, plataforma de proteção de identidades digitais, em Pernambuco, o golpe do falso pagamento é o que tem maior representatividade, com 34% do total.


Em seguida, falsa venda (32%) e roubo de dados (24%) são as fraudes mais comuns no Estado. O recorte dos dados é referente ao primeiro semestre de 2021.


Do caso do falso pagamento, os vendedores acabam ficando no prejuízo, pois acham que receberam o dinheiro da venda, mas trata-se de um golpe.


A fraude do falso pagamento nada mais é do que uma atualização de um antigo golpe no qual os criminosos apresentavam um comprovante de depósito no caixa eletrônico, mas não colocava o dinheiro no envelope e o valor não era computado pelo banco.

Com a digitalização dos bancos, os fraudadores criam um falso comprovante de depósito com os dados e enviam por e-mail ou aplicativo de mensagem, fazendo a pessoa acreditar que o valor já foi depositado e entregue o produto da venda.


No entanto há formas de se precaver e não cair nesse tipo de golpe. Segundo a gerente de Atendimento do Procon-PE, Thamires Lima, o ideal é não repassar o produto em caso de dúvida. “Não dá para acreditar em apenas um comprovante. O suposto depósito, muitas vezes, se vale do fim do expediente bancário. Como o valor aparece no comprovante, o vendedor acredita, porém o banco só vai computar no dia seguinte”, explica.


Ainda de acordo com Thamires, a recomendação é nunca entregar o produto sem o dinheiro na conta. “Sugiro utilizar cartões de crédito ou pagamento via PIX, que são meios de pagamentos mais rápidos e seguros para evitar transtornos e não cair em golpes”, acrescenta.


Para a especialista, o perigo das fraudes é que as vítimas e seus dados servirão para a aplicação de novos golpes. É como se o criminoso ganhasse uma nova face. “E eles [fraudadores] utilizam esses dados em vários outros golpes”, conclui Thamires.